Sexta, 05 de Março de 2021
3123420968
Anúncio
Política Crise

Mais recessão em 2021?

Extinto o auxílio ou obrigatoriedade do governo na manutenção dos empregos, a economia segue outro rumo.

25/12/2020 09h46
124
Por: Redação
Carteira de Trabalho
Carteira de Trabalho

Dados do Caged informam a criação de 400 mil postos de trabalho formais em outubro e demonstram o processo de recuperação da economia. O nível de atividade econômica em novembro é semelhante ao período pré-pandemia. Apenas o setor de serviços está abaixo do nível já alcançado por outros setores.

A massa salarial perdeu bastante importância nesse ano. Perdemos na ordem de 15% de ganhos na massa salarial, o que representa retração no consumo na ordem de R$15 bilhões. Houve uma tentativa de compensar a perda por meio da concessão de benefícios do governo em 2020, fato que possivelmente não se repita em 2021.

O contingente da força de trabalho, soma das pessoas ocupadas e desocupadas, caiu 3,2% em relação ao trimestre anterior, chegando a 95,5 milhões de pessoas. O número representa uma retração de 3,2 milhões de pessoas. No mesmo período, houve um aumento de 4,2 milhões de pessoas na população fora da força de trabalho, que agora é estimada em 79,1 milhões.

DESEMPREGO EM ALTA

A taxa de desemprego chegou a 14,4% no trimestre terminado em agosto, na maior taxa  registrada na série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), iniciada em 2012. O número de desempregados atingiu 13,8 milhões, em aumento de 8,5% frente ao trimestre anterior. São cerca de 1,1 milhão de pessoas a mais à procura de emprego frente ao trimestre encerrado em maio. Os dados foram divulgados hoje (30) pelo IBGE.

Já o número de pessoas ocupadas no país caiu 5% na comparação com o trimestre encerrado em maio, totalizando 81,7 milhões. Com essa retração de 4,3 milhões de pessoas, esse é o menor contingente já registrado na série da pesquisa. Quando comparado ao mesmo trimestre do ano anterior, a queda é de 12,8%, o que representa 12 milhões de pessoas a menos no mercado de trabalho.

SEM AUXÍLIO, MAIS RECESSÃO

Caso o governo estenda o auxílio emergencial na ordem de R$300 por pessoa, em 2021, o impacto nas contas públicas seria algo em torno de R$18 bilhões. E como não há previsão orçamentária para esse tipo de continuidade no momento, acelera a possibilidade de um quadro recessivo em 2021.

Extinto o auxílio ou obrigatoriedade do governo na manutenção dos empregos, a economia segue outro rumo, com as pessoas e empresas atuando com menos recursos e fazendo o máximo com menos recursos: financeiros e humanos. 

Diante do agravamento do caixa das empresas, há o perigo real de se declarem inadimplentes, não conseguindo pagar seus compromissos e recorrendo à rolagem de dívida, pedidos de falência ou de recuperação emergencial. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. 18° Máx. 30°

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
90% (15mm) Chance de chuva
Amanhã (06/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 29°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Domingo (07/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 28°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias