Segunda, 23 de Maio de 2022
14°

Alguma nebulosidade

Belo Horizonte - MG

Justiça CONCILIAÇÃO

O uso da conciliação na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados)

A LGPD proporciona um ambiente de autocomposição para a proteção de dados pessoais com inúmeros benefícios

16/11/2021 às 08h47 Atualizada em 16/11/2021 às 09h08
Por: Renato Ilha Fonte: Advogada Veridiana Martins
Compartilhe:
Veridiana Martins é Mediadora cadastrada no CNJ
Veridiana Martins é Mediadora cadastrada no CNJ

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que visa proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade dos indivíduos, foi aprovada em agosto de 2018 (Lei nº 13.709/18), com vigência a partir de agosto de 2020 e aplicação de suas sanções a partir de agosto de 2021.

Para aqueles que não se debruçaram sobre o tema, em um primeiro momento, se pensa na LGPD como algo de caráter tecnológico. Mas não, ela carrega em si um  fator humano, de preocupação e valorização do indivíduo na medida em que foca nos interesses do cidadão. Neste ponto, verifica-se uma verdadeira correlação com a proposta da conciliação, seja em razão de sua essência ou de suas técnicas e objetivos.

Em 28/10/21 foi publicada a Resolução nº 01/2021 da ANPD aprovando o Regulamento do Processo de Fiscalização e do Processo Administrativo Sancionador da LGPD.

Com 71 artigos, o Regulamento trata dos deveres dos agentes regulados e de disposições processuais, além de dispor sobre o processo de fiscalização e as atividades de monitoramento, de orientação, preventiva e repressiva, dentro elas o art. 17, VIII traz a seguinte premissa: "estímulo à conciliação direta entre as partes e priorização da resolução do problema e da reparação de danos pelo controlador, observados os princípios e os direitos do titular previstos na LGPD".

Como usar a conciliação para reduzir o risco de passivo judicial e evitar sanções da LGPD

De forma muito objetiva pode-se afirmar que o vazamento de dados individuais pode levar a pelo menos duas penalidades: uma sanção administrativa, aplicada pela autoridade nacional, e uma condenação de natureza civil como, por exemplo, danos morais.

Forma de evitar a aplicação da sanção administrativa vem trazida no  §7º do art. 52, que dita:

§ 7º Os vazamentos individuais ou os acessos não autorizados de que trata o caput do art. 46 desta Lei poderão ser objeto de conciliação direta entre controlador e titular e, caso não haja acordo, o controlador estará sujeito à aplicação das penalidades de que trata este artigo.   

Com efeito, a previsão do art. 52, § 7.º da Lei n.º 13.709/18, beneficia a todos os envolvidos nos conflitos decorrentes de vazamentos ou acessos não autorizados, entre os quais podemos citar: confidencialidade do procedimento, atendimento das necessidades do titular dos dados, diminuindo ou evitando eventual reparação civil, redução de custos jurídicos e do passivo judicial, evitar a criação de precedentes, evitar a sanção administrativa, etc.

Dentro deste contexto, a conciliação mostra-se como uma grande aliada da aplicação da LGPD, seja para minimizar ou elidir sanções administrativas, ou o passivo judicial. 

Veridiana Martins é Advogada e Presidente da Associação Gaúcha de Mediadores e Conciliadores (AGAMEC)

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Mediação e Justiça
Mediação e Justiça
Sobre Assuntos relacionados ao o exercício da solução de disputas.
Belo Horizonte - MG Atualizado às 01h56 - Fonte: ClimaTempo
14°
Alguma nebulosidade

Mín. 11° Máx. 25°

Ter 26°C 12°C
Qua 26°C 12°C
Qui 26°C 13°C
Sex 25°C 15°C
Sáb 24°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias